65 igrejas são destruídas e mais de 6.000 refugiados são deslocados em Gana

  • 14/05/2024
65 igrejas são destruídas e mais de 6.000 refugiados são deslocados em Gana
65 igrejas são destruídas e mais de 6.000 refugiados são deslocados em Gana (Foto: Reprodução)

Centenas de pessoas que fugiram da Libéria e vivem no Gana, país na África, ficaram na miséria após a demolição de uma parte de um campo de refugiados a 45 quilômetros da capital do país, Acra.

Há 35 anos, o campo de refugiados de Buduburam é o lar de milhares de liberianos que saíram do país para escapar de duas guerras civis entre 1989 e 2003. 

Em 2006, a ONU decidiu que os refugiados poderiam voltar para suas casas em segurança. No entanto, muitos liberianos que vivem no Gana dizem que não têm qualquer ligação ou relações com o seu país de origem e preferem continuar no local. 

O presidente da Liderança Comunitária da Libéria, Dennis Yoko Gwion, relatou que em 2010, a recomendação da ONU para uma opção de integração de refugiados na sociedade ganense não funcionou como planejado devido ao que ele chamou como restrições do governo. 

“O Conselho de Refugiados do Gana nos deu passaportes liberianos com autorizações de residência que nos impediram de trabalhar e fazer negócios. Nos foi prometido que seria fornecido alojamento e que seríamos transferidos de Buduburam, mas o Conselho de Refugiados nos manteve aqui durante todo este tempo”, disse Gwion ao Christian Daily International.   

Gwion informou que 6.168 indivíduos registados foram deslocados em consequência das demolições, que também incluíram a destruição e saque de 65 igrejas.  

“A maioria das pessoas opta involuntariamente por voltar para casa porque não têm onde ficar. As pessoas vivem em edifícios escolares congestionados, sem comida, água e saneamento precário”, contou ele. 

Os refugiados, que têm acampado em escolas próximas após a demolição, correm o risco de serem obrigados a morar nas ruas, pois as autoridades informaram que eles devem desocupar as escolas. 

‘Situação terrível’

De acordo com o Christian Daily International, a demolição aconteceu apesar da garantia do presidente do Conselho de Refugiados do Gana, professor Kenneth Agyemang Attafuah, que disse em comentários no ACNUR em Genebra em 2022 que o desmantelamento do campo de refugiados será conduzido “de forma segura, humana e eficiente, consistente com o direito nacional e internacional e com as obrigações de direitos humanos do Gana”.

Tetteh Padie, secretária executiva do Conselho para os Refugiados do Gana, foi citada no mês passado como tendo dito que cerca de 600 pessoas foram afetadas pelas demolições, incluindo liberianos e ganenses. 

“Buduburam não é mais um campo de refugiados. Temos várias pessoas morando lá que não são refugiados. Na verdade, a maioria das pessoas que lá vivem não são refugiados, incluindo os liberianos. Desde a demolição, fizemos algumas contagens e até agora 268 pessoas refugiadas se declararam afetadas”, disse Padie.

“O conselho está tomando providências para que 231 refugiados documentados sejam transferidos para outro campo na Região Oeste com a ajuda do ACNUR”, acrescentou. 

Porém, Gwion contestou o relato do conselho de refugiados, compartilhando fotos e vídeos de pessoas deslocadas que, segundo ele, estariam dormindo nas ruas com pouco ou nenhum acesso a água e comida.

A Sociedade Internacional para os Direitos Humanos (SIDH), cuja liderança visitou recentemente o local, anunciou um webinar de emergência para destacar a situação dos refugiados e mobilizar ajuda necessária ao que a SIDH chama de “situação terrível”.  

“À medida que a situação se deteriora, o coordenador do campo emitiu uma mensagem angustiante: ‘As nossas reservas alimentares estão se esgotando rapidamente e as condições médicas estão se agravando. Não podemos ficar de braços cruzados enquanto os nossos semelhantes sofrem”, informou o SIDH num comunicado.

O secretário-geral do ISHR, Matthias Boehning, enfatizou a necessidade dos refugiados serem integrados na sociedade ganesa.

“O governo do Gana deve dar seguimento às suas palavras em Genebra com ações. O SIDH continuará a trabalhar para garantir que o destino das pessoas no campo de refugiados de Buduburam não seja esquecido e que sejam criadas soluções reais”, afirmou Boehning.

O presidente da Libéria, Joseph Nyuma Boakai, também falou sobre a demolição e alegou que o despejo dos refugiados estava ligado a uma disputa pela propriedade da terra. 

“É entendimento do presidente que as atividades atuais estão a decorrer sob os auspícios do Conselho Tradicional Gomoa-Fetteh, que se acredita serem os proprietários das terras que acolhem o Acampamento Buduburam”, disse o presidente num comunicado publicado em suas redes sociais.

Por fim, Boakai instou o governo ganense a intervir e garantir que os refugiados que vivem no campo estejam “seguros, protegidos e tratados com humanidade”.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/65-igrejas-sao-destruidas-e-mais-de-6000-refugiados-sao-deslocados-em-gana.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 10

top1
1. Deixa

Maria Marçal

top2
2. Yahweh se manifestará

Oasis Ministry

top3
3. Sobre a tua Palavra

Kelly Blima

top4
4. Vem me Salvar

Pr Darvi Santos

top5
5. Autor da Minha Fé

Jefter Figueiredo

top6
6. Eu não perdi o controle

Samuel Messias

top7
7. A cura

Marcelo Assumpção

top8
8. Joy In The Morning

Tauren Wells

top9
9. Estamos de Pé

Pr Marcus Salles

top10
10. Jeová Jireh

Aline Barros


Anunciantes